07 outubro 2011

Percurso Damaia - Restelo - Saldanha - Damaia (parte2)

No post anterior tinha ficado na Piscina do Restelo , daí teria que ir ao Saldanha buscar uma encomenda. Caminhos certos nunca sei, nem nomes de ruas, etc....sou muito despistado para isso....eu vou às apalpadelas e quase por bússula: " é para aquela direcção! "
Sendo assim junto à piscina voltei uns metros atrás e na rotunda segui a Av. Ilha da Madeira que me leva até aos Jerónimos.






 Até aqui já tinha descido em poucos minutos atá junto ao rio que era o que me interessava, segui pela rua dos pastéis de Belém e fui até ao Museu dos Coches. Rapidamente subi e desci pela passagem superior que atravessa a AV. da India , o que me levou para junto da Estação Fluvial de Belém.

 

 
Daí é facil advinhar o que se seguiu.....pois claro a ciclovia que liga Belém até ao Cais de Sodré. São alguns km"s que se fazem muito bem, junto ao rio e neste caso serviu-me para cruzar meia-cidade sem ir na confusão do trânsito.


 


Chegado ao Cais de Sodré, fui junto à berma da Av. Ribeira das Naus que felizmente está em obras e que retiraram uma faixa, sendo assim só está uma em cada sentido , deixando uma faixa livre e que tem sido utilizada por ciclistas, peões e que é um descanso.


  Será que acabando as obras vão devolver essa faixa aos automóveis ou a vão deixar livre?!  Já está assim à tanto tempo e parece que ninguém morreu por isso....por mim ficava assim, mais compostinho mas só com uma faixa para cada lado que é mais que suficiente!

Av.Ribeira das Naus é feita em segundos com o trânsito parado ao nosso lado, chegamos ao Terreiro do Paço, viro para a Rua da Prata até à Praça da Figueira tranquilamente sempre com atenção aos autocarros que até são pacientes porque têm semáforos de 20 em 20 metros! lol Já quanto aos taxista não posso dizer o mesmo pois parece que andam a fazer aquelas provas dos arranques no tunning!   Sigo depois para a Praça D.Pedro IV a subo até à Av. da Liberdade e continuo a dizer que isto é tudo feito com tranquilidade pois na Baixa o trânsito infelizmente é demasiado e passamos por todos os carros quando eles estão parados por isso não nos incomodam.



Subir a Av. da Liberdade tem sempre o que se lhe diga e já li muitas formas diferentes de o fazer. O que eu sei e vejo é que é uma verdadeira autoestrada no meio da cidade. Quem vem farto de esperar na baixa aproveita a aberta para fazer o gosto ao pé e eu não estou para isso, sendo assim prefiro ir pelas laterais que mais uma vez digo que deviam ser reservadas para a mobilidade leve e/ou exclusivamente a veículos prioritários e clientes dos hotéis uma vez que esses já lá estão há muito tempo, fora isso ficávamos com uma faixa de cada lado da AV. só para peões e bicicletas . Para quem quer descansar um bocadinho, dá para parar à vontade num destes quiosques fabulosos. Infelizmente poucas são as pessoas que podem usufruir deles pois andam muito ocupados a conduzir no trânsito e têm depois o stress e a despesa de estacionar o carro.

 Depois da subidinha feita devagar que não é acentuada mas vai moendo chegamos ao Marquês de Pombal , viramos para o Saldanha e voilá!





 Só uma nota para "agradecer" ao Saldanha Residence por se terem preocupado em criar lugares para as bicicletas , se bem que a meu ver ficassem melhor neste àtrio que se vê na última foto. Não é por comodismo para ficar "mesmo" à porta....é que onde as bikes ficas estacionadas há menos visibilidade e neste àtrio ficavam mais resguardadas, não empatavam muito e há sempre um segurança no centro que dá um olhinho.